sexta-feira, junho 29, 2007

O que será a poesia - Parte II

Se ponho a mente,
falta o peito,
se ponho o peito,
falta a mente,
se vacilo, a mente inconstante,
o peito se precipita e se junta,
os dois, juntos,
sem ser um completo no outro,
sem que qualquer dos dois se sinta bem,
a catástrofe do texto é inevitável.
Não se junta, não dá liga,
um sentimento inconstante
soterra as idéias pela metade,
e pela metade,
um sentimento de falha precipita.

Dizeis: Se completo!
Ao que digo: A bem da verdade,
não o sou nem em mim mesmo.


*Hahahaha.....depois de quase um ano, eu volto a atualizar esse blog....juro que tento não parar mais...
Esse poema (obviamente) continua o outro de baixo... Gosto muito dele, o que não quer dizer nada.

2 comentários:

Vinício dos Santos disse...

da série: "como eu gosto da simplicidade nas pessoas"

muito bom, arthur, muito bom

Barbareth disse...

Gostei muito do poema! E olha que eu tenho um sério problema com poesia, na maioria das vezes não consigo entender. Muito bom mesmo!
Abraço!
P.S.: Também gostei do seu blog! :D