quinta-feira, novembro 27, 2008

Turma da Mônica Jovem (Em estilo mangá) 3



Após uma palpável melhora no segundo número, é impossível não se decepcionar com esse terceiro. A revista até que caminha bem até seu 3º capítulo, depois toda a melhora possível é jogada no lixo. Mas comecemos do princípio. Esta edição começa com uma ligeira melhora nos roteiros, assim como nos desenhos, mas nada gritante. Ainda encontramos defeitos, como o desenho da vilã Yuka que é péssimo e destoa da arte do resto da revista. Outro problema é a falta de explicação pros zilhões de personagens que aparecem e que já haviam aparecido antes nos gibis da linha normal da turminha. Os roteiristas optaram por colocar notas de rodapé apenas nos personagens vindos do cinema, ou seja, Cabeleira Negra e Lord Coelhão. O problema é que assim como o público alvo do gibi não é obrigado a ter assistido aos filmes da turminha, tmbém devemos supor que não é obrigado a ter lido os gibis da linha normal da turma da Mônica, ainda mais que a maioria dos personagens são bem atuais. Eu mesmo não conheço metade dos "convidados" e olha que sou leitor habitual.

Percebe-se também que a equipe criativa ainda não chegou a uma conclusão quanto à personalidade das personagens principais. O Cascão não havia sido apresentado até agora como um personagem que toma banho mas não gosta, mas agora parece que seu famoso pavor de água voltou. A Magali estava irreconhecível até essa edição, mas agora vemos a velha comilona de volta. Confesso que prefiro assim e acho que a Magali simplesmente não funciona sem essa caracteristica. A força da Mônica é outro problema, ela existe ou não? Na edição passada ela apareceu, já nessa edição não. Os roteiristas precisam se decidir. De qualquer forma, apesar dos problemas, essa primeira metade da edição é a melhor coisa que a revista publicou até agora, divertida e se mostra uma leitura agradável. Ponto positivo também para a aparição do Astronauta, que junto com Lord Coelhão são as melhores coisas da edição.

Só que tudo desaba na parte final. O Coelho Caolho como mestre de luta até que é engraçado, uma mistura de Yoda com Pai Mei, mostrando que os roteiristas sabem trabalhar com referências pop, mas a explicação sobre a origem do legado que eles tem que seguir... não é só boba, não é só horrível... é desastrosa e chega a ser a coisa mais sem pé nem cabeça que li esse ano e olha que sou leitor de Marvel e DC, ou seja, estou acostumado com explicações do estilo é-mágica-nós-não-precisamos-explicar (Tá... não chega a ser tão ruim quanto One More Day...). Patético. Espero sinceramente que com o fim dessa "saga", que está previsto pro próximo número, a palhaçada acabe e este gibi valha (FINALMENTE) seu (absurdo) preço.

Cotação:

Nenhum comentário: