sábado, setembro 12, 2009

Micro-resenhas - especial "revival" de ação

Highlander, O Guerreiro Imortal (Highlander)
Dirigido por Russell Mulcahy, 1986.


Existe a famosa regra dos 15 anos (qualquer um que já ouviu o Nerdcast sabe disso), que diz que tudo que você assistiu e gostou quando tinha 15 anos ou menos não deve ser revisto, pois bem provavelmente é uma bosta. Se tem filmes que quebram essa regra, como True Lies, resenhado abaixo, existem também - e são a maioria - os que são miseravelmente derrotados por ela, caso desse Highlander.

Que decepção, sempre tive na minha cabeça que o primeiro filme da série era bom e as continuações ruins. A verdade é que o primeiro filme é ruim e as continuações tenebrosas.

Tudo vai mal nesse filme, desde as atuações - Cristopher Lambert é tão ruim que chega a ofender -, até a coreografia das lutas que é datada demais e - por vezes - ridícula. A história até que é legal, mas o roteiro é mal escrito, os diálogos são toscos, o estilo de filmagem é oitentista em sua pior definição e a edição é completamente sem sentido. Parece às vezes que filmaram cinco horas de filme mas só puderam lançar duas.

Sean Connery tem uma participação pequena e fica longe de repetir algumas de suas grandes atuações, ainda que não prejudique e o vilão do filme Kurgan (Clancy Brown) é patético, e nunca mete medo, apenas raiva, já que age como babaca o filme todo.

Os únicos pontos altos são as transições de cena, que - fora uma onde a cena explode como um vidro quebrado - são inventivas e muito competentes e a sensacional trilha sonora do Queen.

Recomendo seriamente, se tiverem boas lembranças desse filme, não assistam de novo, é decepcionante. E se tiverem mesmo saudades comprem um disco do Queen, vale bem mais a pena.

cotação:


Highlander II - A Ressurreição (Highlander II: The Quickening)
Dirigido por Russell Mulcahy, 1991.

Se o primeiro Highlander é ruim, esse é um dos 10 piores filmes da história. O roteiro distorce tudo o que o primeiro filme estabelece, inventa uma trama futurista patética, insere ficção científica da pior qualidade, ressuscita Sean Connery - que ganhou uma bolada para fazer essa bomba - e dá uma origem para os Imortais, que teriam vindo do planete Zeist, governado pelo malvado general Katana... preciso dizer que é ruim?

Cristopher Lambert tem a pior atuação da carreira e se pararmos para pensar o quão ruim ele é, isso é muito (as cenas em que ele está velho e faz uma voz rouca fake são de rolar de rir). O resto do elenco também é patético e Michael Ironside, que faz o General Katana, consegue ser pior que o vilão do primeiro filme.

Para coroar, a trama - que já é sem pé nem cabeça - tem um monte de furos e os "efeitos" especiais são de lascar. Nem os piores fanfilms são tão toscos.

cotação:


Stallone Cobra (Cobra)
Dirigido por George P. Cosmatos, 1986.


Confesso que esperava mais desse filme, por toda a mítica que o envolve e sua fama de cult brucutu. Deixando de lado a questão política - seria o protagonista Facista? - é apenas um filme razoável de sessão da tarde.

Pela fama que tem eu esperava que fosse muito violento, mas não é, todo mundo que leva tiro não sangra e as cenas de ação nem são tão boas assim. Quanto ao elenco, Stallone é canastra demais, mas aqui, como na maioria dos filmes de ação que ele faz, isso cai bem, mas Brigite Neilsen é muito ruim. O resto não vale nem mencionar.

O roteiro , como era de se esperar, é fraco, então o filme deveria ser lotado de cenas de ação aleatórias, mas não é, tem muita ação no começo e no fim e o meio desenvolve uma trama que não precisa ser desenvolvida, já que não faz sentido algum, uma pena. Outra decepção de infancia, ainda que esse não seja ruim como Highlander, poderia ser bem melhor.
cotação:


Rambo II - A Missão (First Blood part II)
Dirigido por George P. Cosmatos, 1985.



Continuando o revival de infância, Rambo II não me decepcionou, claro que não é bom como o 1º filme, mas é competente e não perde tempo com roteiros sem sentido. A história é simples: Rambo sai da cadeia, volta ao Vietnam resgatar soldados, é traído pelo governo, preso, escapa, mata todo mundo e volta triunfante. Pronto, e tudo isso muito bem coreografado em cenas de ação que envelheceram muito bem.

O filme em nenhum momento se pretende mais do que um entretenimento para homens e cumpre isso com larga vantagem. Quem dera que o cinema de ação de hoje entendesse isso.
cotação:


True Lies (True Lies)
Dirigido por James Cameron, 1994.



Esse não decepcionou, muito pelo contrário, é melhor do que a lembrança que eu tinha dele. Grande filme, eu diria o último clássico de ação e também o último grande filme de James Cameron (depois foi só o safado Titanic). Depois deste filme começou o declínio do cinema de ação. Cameron faz uma sensacional mistura de comédia, romance e ação, com um elenco afinadíssimo - Jamie Lee Curtis está sensacional, assim como Tom Arnold e até o Swaza atua bem - e cenas de ação sensacionais e sem aquele monte de efeitos de computador chatos de hoje em dia.

O filme começa com uma cena a la James Bond, só que com um grande diretor a frente, ou seja, muito melhor e mais engraçado. O humor é um destaque do filme, em algumas cenas eu tive que parar o filme pra rir.

Algumas das mais clássicas cenas de ação do cinema estão aqui, como a que Schwarzenegger persegue o terrorista feito por Grant Heslov à cavalo. Em suma: um clássico!

cotação:


PS: Highlander II foi a segunda vez que eu dei a nota mínima pra um filme, o outro tinha sido pro tenebroso Fim dos Tempos.

PS2: No próximo micro-resenhas eu falarei sobre Up-Altas aventuras (o filme do ano) e o que eu tiver assistido até lá.

Um comentário:

Vinício dos Santos disse...

"Atenção, parem de quebrar os vidros da cidade!" - Highlander

tem história demais para o meu gosto no Stallone Cobra também! Mas pelo menos tem uma frase clássica "caras como você são o cancer, eu sou a cura"